Johnnie Walker Black Label

black-como-servir

dezembro 16, 2013 | Posted in Curiosidades, Produtos

A indústria do whisky em um copo

Rico, complexo e suave. Com suas origens em 1870, o “OLD HIGHLAND WHISKY” tornou-se simplesmente “JOHNNIE WALKER BLACK LABEL®” em 1909. O blend original da família Walker é considerado pelos especialistas um supremo whisky escocês de luxo, padrão pelo qual todos os outros podem ser medidos.Cada garrafa de JOHNNIE WALKER BLACK LABEL® leva duas décadas de planejamento e utiliza whiskies das melhores destilarias de toda Escócia, envelhecidos nos barris mais adequados. Nesse período, o whisky incorpora tons frutais incomuns e o clássico final defumado. Na sequência, entra em cena a habilidade dos Master Blenders, que mesclam whiskies maturados por 12 anos ou mais e criam um produto novo, profundo e complexo, com extraordinária escala de sabor.

O foco constante em qualidade e estilo permitiu a JOHNNIE WALKER BLACK LABEL® ganhar inúmeros prêmios. Hoje, o blend continua tão rico e suave como na época em que o filho e o neto de John Walker eram Master Blenders. Já foi chamado de “o Everest dos whiskies ” por Jim Murray, autor de “A Bíblia do Whisky“ e “o melhor na sua categoria” por Charles Maclean, escritor especializado em whiskies .

black-equilibrado

Perfeitamente equilibrado

JOHNNIE WALKER® conta com o privilégio de ter acesso exclusivo aos melhores whiskies da Escócia, desde os vigorosos maltes da costa ocidental até os sabores mais sutis da costa oriental.

A partir dessa pluralidade de sabores nasceu JOHNNIE WALKER BLACK LABEL®, um whisky que apresenta nuances mais secas e turfadas. Reúne traços de baunilha, um insinuante toque de caramelo cremoso e, por fim, um sabor esfumaçado suave e persistente. Todos esses aromas fazem de JOHNNIE WALKER BLACK LABEL® um blend exclusivo, com caráter macio, profundo e complexo.

black-global

Alcance global

As origens de JOHNNIE WALKER BLACK LABEL® remetem à época em que Alexander, filho de John Walker, assumiu os negócios em 1857. Percebendo o potencial não explorado dos blends de seu pai, Alexander concentrou-se em expandir o mercado de whiskies. Ele se inspirou no estilo defumado característico dos blends de seu pai. Em 1867, registrou o “Old Highland Whisky”, precursor do atual JOHNNIE WALKER BLACK LABEL®.

Em 1889, John Walker & Sons já havia estabelecido negócios em Londres, Sidney e Paris, além de contar com agentes de distribuição na África do Sul, Estados Unidos e Índia. Naquela época, poucas marcas eram distribuídas tão amplamente.

Na década de 1890, os netos de John Walker, Alexander II e George, já estavam à frente dos negócios. Seguindo o espírito inovador de seus ancestrais e o princípio de produzir whiskies de alta qualidade, eles desenvolveram uma nova visão, identificando maneiras de alcançar novos níveis de sucesso comercial.

Com uma visão de marketing inovadora, os irmãos entenderam a importância de produzir uma marca que poderia ser facilmente reconhecida. A chave estava no inconfundível rótulo preto inclinado. Em 1909, as palavras ‘BLACK LABEL’ apareceram na garrafa pela primeira vez.

black-como-servir
Como servir

JOHNNIE WALKER BLACK LABEL® pode ser apreciado puro, com gelo ou com um pouco de água (com ou sem gás).

Leia mais →

Cerveja tem vitamina que combate anemia

Cerveja possui substâncias que ajudam a combater anemia

julho 1, 2013 | Posted in Artigos, Curiosidades

Uma pesquisa realizada pelaCerveja possui substâncias que ajudam a combater anemia Faculdade de Engenharia de Alimentos da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) revelou que as cervejas possuem substâncias importantes no combate à anemia e doenças cardiovasculares. Segundo o levantamento, a vitamina B9 – conhecida como ácido fólico é presente também em verduras de cor escura.

A pesquisadora responsável pelo estudo, Ana Cecília Poloni Rybka, afirmou que três tipos da bebida (pilsen, sem álcool e malzibier) foram avaliados. De acordo com os resultados, uma lata de cerveja possui de 17% a 20% da vitamina recomendada para o consumo diário de um adulto.

Além da substância, outros compostos importantes, como antioxidantes, além de outras, responsáveis pelo aparecimento de radicais livres na corrente sanguínea também são encontrados no líquido.

No entanto, a pesquisadora responsável adverte para os perigos do consumo excessivo, que, segundo ela, não garante o suprimento necessário da vitamina. Para ela, a ação pode prejudicar a absorção de outras vitaminas.

Redação: Bárbara Forte
Fonte: Viva Bem / Band

Leia mais →

Vinho tinto e carne vermelha…

vinho e carne

junho 8, 2013 | Posted in Artigos, Curiosidades, Notícias

Associar o consumo de vinho tinto à carne vermelha pode inibir os danos que a mesma causa ao coração.

vinho e carne

Devido as grandes quantidades de colesterol, a carne vermelha não é vista de forma muito positiva pelos profissionais da área da saúde, principalmente por médicos e nutricionistas que apregoam o seu consumo de forma moderada. Porém, um estudo científico recentemente identifica que, quando consumida com vinho tinto, a carne não traz danos à saúde.

O artigo publicado no Journal of Functional Foods, diz que o vinho tinto evita o acúmulo do LDL (Colesterol “ruim”) no sangue e consequentemente impede danos nos vasos sanguíneos e diminui o risco de problemas cardíacos. Os autores deste estudo demonstraram que os polifenóis (compostos antioxidantes presentes no tinto), evitam a absorção do colesterol.

Ron Kohen, professor do Instituto de Investigação sobre Drogas da Universidade Hebrea pontuou que os resultados podem ajudar a explicar porque o vinho tinto reduz o risco de doenças do coração. Segundo ele: “A carne é rica em ácidos graxos poli-insaturados e colesterol. Nossos resultados poderiam proporcionar uma explicação para a associação frequente entre a carne e um risco maior de desenvolver doenças cardiovasculares. A inclusão de produtos ricos em polifenóis como parte integrante da refeição diminui significativamente os efeitos nocivos“.

O estudo representa um avanço para a definição do chamado “paradoxo francês”, expressão esta, utilizada para explicar a contradição existente na população francesa que consume grandes quantidades de alimentos ricos em gorduras saturadas e, ao mesmo tempo, possui um dos menores índices de problemas cardíacos.

Saúde aos nossos corações!

vinho dia dos namorados

Fonte das informaçõeshttp://www.journals.elsevier.com/journal-of-functional-foods/

Fonte da matéria: Confraria do Sagú

Leia mais →

Beber com moderação faz a mulher envelhecer com saúde

bebida-alcoolica-mulher-envelhecimento-20110907-size-598

maio 24, 2013 | Posted in Artigos, Curiosidades, Notícias

Consumir de um a dois drinques por dia ajuda a evitar problemas como câncer, diabetes e doença cardiovascular, indica pesquisa da Universidade de Harvard

bebida-alcoolica-mulher-envelhecimento-20110907-size-598

Envelhecimento: o consumo moderado e regular de bebidas alcoólicas ajuda mulheres na meia idade a envelhecer de maneira saudável (Thinkstock)

Consumir bebidas alcoólicas moderadamente ajuda as mulheres na meia idade – na faixa dos 35 aos 58 anos – a envelhecer de maneira mais saudável. Ao menos é o que sugere um estudo americano publicado no periódico especializado PLoS Medicine Journal. De acordo com a pesquisa, consumir de 15 a 30 gramas de álcool (o equivalente a aproximadamente meio litro de cerveja ou uma taça de vinho), de cinco a sete vezes na semana, faz com que as mulheres se tornem mais sudáveis à medida em que envelhecem.

 

CONHEÇA A PESQUISA

Título original: Alcohol Consumption at Midlife and Successful Ageing in Women: A Prospective Cohort Analysis in the Nurses’ Health Study

Onde foi divulgada: periódico PLoS Medicine Journal 

Quem fez: Sun Q, Townsend MK, Okereke OI, Rimm EB, Hu FB, e outros

Instituição: Escola de Medicina da Universidade de Harvad, nos Estados Unidos

Dados de amostragem: 14.000 mulheres que sobreviveram até os 70 anos de idade ou mais

Resultado: O consumo regular e moderado de bebidas alcoólicas na meia-idade pode estar relacionado com um aumento no estado geral de saúde entre as mulheres que sobrevivem até idades mais avançadas.

O estudo da Escola de Medicina da Universidade de Harvard analisou 14.000 mulheres que viveram até os 70 anos de idade ou mais. Como envelhecimento bem sucedido, os pesquisadores consideraram a ausência de: 11 doenças crônicas; comprometimento cognitivo; deficiência física; e limitações de saúde mental. Entre as bebidas e quantidades analisadas estavam: uma tulipa de cerveja, uma taça de vinho e uma dose única de aguardente.

Descobriu-se, então, que mulheres nos seus 50 anos que consomem de um a dois drinques por dia têm uma probabilidade 28% maior de ter um envelhecimento bem sucedido. Já aquelas que bebem, no mínimo, em cinco dias da semana praticamente dobram as chances de envelhecer de maneira saudável.

Segundo os pesquisadores, isso pode significar que mulheres que consomem de maneira moderada e frequente bebidas alcoólicas têm mais chances de chegar aos 70 anos livres de condições como câncer, diabetes, doenças cardíacas e outras enfermidades. Eles não conseguiram delimitar, no entanto, se é o álcool em si que oferece os benefícios à saúde, ou se existe algum fator que caminha lado a lado com o hábito e que possa estar beneficiando essas mulheres.

Dados prévios – Estudos anteriores já haviam demonstrado que o consumo moderado de bebidas alcoólicas, dentro das duas ou três unidades diárias recomendadas, estava relacionado com menores riscos de doenças cardíacas e outras condições. Há ainda, de acordo com estudos, benefícios como redução da resistência à insulina, de inflamações, do colesterol alto e de outros processos danosos ao corpo.

Leia mais: Veja

Leia mais →